Barão de Lucena 48, sala 20, Botafogo

(21) 3577-0077 | 98485-5537

Musicoterapia

MUSICOTERAPEUTA DO CIGGA:

O que é?

musicoterapia“Musicoterapia é a utilização da música e/ou seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) por um musicoterapeuta qualificado, com um cliente ou grupo, num processo para facilitar e promover a comunicação, relação, aprendizagem, mobilização, expressão, organização e outros objetivos terapêuticos relevantes, no sentido de alcançar necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas. A Musicoterapia objetiva desenvolver potenciais e/ou restabelecer funções do indivíduo para que ele/ela possa alcançar uma melhor integração intra e/ou interpessoal e consequentemente, uma melhor qualidade de vida, pela prevenção, reabilitação ou tratamento” (Comissão de Prática Clínica da Federação Mundial de Musicoterapia Inc.1996).

 

A Musicoterapia, sendo uma terapia autoexpressiva com forte atuação nas funções cognitivas e emocionais, contribui diretamente para o envelhecimento ativo.

Quando procurar um musicoterapeuta?

Podem se beneficiar da Musicoterapia os idosos com:

  • Distúrbios socioafetivos, em isolamento social com comprometimento afetivo – possibilidade de depressão e baixa estima ao enfrentar doenças;
  • Acometidos por processos demências – leve, moderado e severo;
  • Dificuldades na comunicação verbal (quadros afásicos – expressão e compreensão), fuga de ideias e falha sequencial do pensamento;
  • Dificuldade com relação a memória – imediata, recente e a remota;
  • Desorientação têmporo-espacial;
  • Dificuldades de expressar seus sentimentos e emoções;
  • Sequelas motoras e sensoriais – deambulação arrastada, lentificada; hipertonia, linguagem lentificada;
  • Irregularidade rítmica – aceleração de andamento (quadros apráxicos – dificuldade de execução de sequências motoras complexas);
  • Tensão com contração muscular;
  • Irritabilidade – alteração de humor (passividade/agressividade);
  • Em geral – atrofia cerebral, def iciência sensorial, doença de Parkinson, Mal de Alzheimer e outras demências, depressão, amputados, sequelas de AVE, câncer, diabetes, doença cardíaca hipertensiva e tantas outras.

Atendimentos:

  • Atendimento Individual (consultório): 50 minutos
  • Atendimento em grupo (oficinas / coral e grupos terapêuticos): 1 hora
  • Atendimento hospitalar (no leito): tempo de atendimento determinado conforme a necessidade do cliente e local
  • Atendimento domiciliar: 50 minutos

Objetivos e Benefícios

Um dos principais focos da Musicoterapia é resgatar a espontaneidade perdida ao longo de nossa existência, estimulando a criatividade e nos liberando de condutas padronizadas, rigidez e cristalizações, comportamentos estes que podem ser adquiridos durante o processo de envelhecimento.

O estímulo da música proporciona aos idosos um contato com seu poder criativo, com suas potencialidades, memórias e histórias de vida, fortalecendo sua identidade e autoestima.

Combinada ou não com outras abordagens, a Musicoterapia também aperfeiçoa objetivos médicos, podendo favorecer a alteração de tônus muscular e frequência cardíaca, expandir capacidade respiratória, favorecer contato com emoções, afetar humor, aprimorar memória e comunicação, facilitar manejo de estresse e reduzir a percepção de dor.

As principais metas do processo musicoterápico são:

  • Estabelecer o vínculo terapêutico, fortalecendo as relações de confiança no terapeuta e facilitando a integração e a interação por meio do desenvolvimento da comunicação e busca pelo autoconhecimento;
  • Melhoria da qualidade de vida, estimulando as ações físicas, biológicas, psicológicas e sociais do indivíduo, integrando-o consigo mesmo e com o meio que o cerca;
  • Estimular os canais expressivos do idoso, favorecendo a exteriorização de suas potencialidades;
  • Oferecer espaço para novas manifestações expressivas durante o processo musicoterápico, que possam de alguma forma alimentar e impulsionar o idoso e mobilizá-lo para possíveis mudanças de seu comportamento;
  • Oferecer atendimento e orientação aos familiares e/ou cuidadores;
  • Auxiliar efetivamente na prevenção e reabilitação no que se refere à manutenção de funções cognitivas preservadas, facilitação das relações interpessoais, autoexpressão e ao resgate de todo tipo de memória;
  • Desenvolver a criatividade, a liberdade de expressão, a espontaneidade e capacidade lúdica;
  • Desenvolver habilidades perceptivas e cognitivas, valorizando a história pessoal do idoso, a partir da sua história sonoro musical e qualquer outro objetivo e/ou metas a serem alcançados, conforme a necessidade do cliente durante o processo musicoterápico.

Como funciona?

Etapas do processo musicoterápico

  • Entrevista Inicial: Dados pessoais, a história sonoro musical pregressa e atual, história clínica, preferências musicais e instrumentais, experiências musicais do cliente e familiares, informações acerca dos diversos sons (estruturados ou não) que agradem e qualquer outra informação relevante;
  • Testificação Musical: Primeiro contato com o setting terapêutico podendo se dar em mais de uma sessão para complementar a ficha musicoterápica;
  • Contrato Terapêutico: Horário, frequência e duração das sessões;
  • Sessão Musicoterápica: Prática clínica permitindo com que a música, em seu mais amplo conceito, se dê na decodificação e elaboração dos conteúdos expressos por essa linguagem, buscando facilitar a abertura dos canais de comunicação;
  • Alta: É definida, em geral, como o término de um processo terapêutico tendo em vista a melhora do paciente ou qualquer outra situação de mudança.

Dinâmica da Musicoterapia

  • Instrumentos musicais como objetos intermediários;
  • Recursos eletrônicos e complementares na ação musicoterápica – microfone, aparelho de som, computador.